Seção 2: Usuários Existentes

Q2.6: Onde encontro um navegador XML?

Todos os navegadores modernos suportam XML

O atual estado dos navegadores existentes suportam XML (1 de Agosto de 2014):

  • Versões atuais do Microsoft Internet Explorer, Firefox, Safari, Chrome, Mozilla, e Opera aparentam suportar XML com planilhas CSS e/ou XSLT 1.0. O editor traria informação adicional e correções.

  • Não use Netscape (qualquer versão), Internet Explorer 6 ou versões anteriores, or qualquer versão mais antiga do Mozilla se você procura um suporte XML: eles ou não têm ou foram eram obstruídos em demasia. Atualize para um navegador moderno o quanto antes.

O resto desta lista é de interesse histórico apenas.

  • O Microsoft Internet Explorer 5.0 e 5.5 lidaram com XML, processando-o por padrão usando uma planilha embutida escrita em específicos da Microsoft, um predecessor obsoleto de XSLT chamado XSL (a não ser confundido com o XSLT real). A saída da planilha é DHTML, a qual, quando capitulada no navegador, apresentava uma versão colorida, com sintaxe marcada do documento XML, e com visualizações colaptantes. Se o documento XML faz referência a uma planilha, esta planilha será usada no lugar, dentro dos confins limitantes da implementação incompleta do MSIE de CSS. MSIE 5.0 e 5.5 podem também utilizar planilhas em outra sintaxe obsoleta chamada WD-xsl, a qual deveria ser evitada. Estas versões podem ser atualizadas para suporte real XSLT: veja MSXML FAQ .

    MSIE 6.0 em diante usam XSLT 1.0 real, mas podem usar ambas as sintaxes obsoletas também.

  • Todos os Mozilla Firefox 0.9 acima, Netscape 6 e 7 (não existe um Netscape 5), e Galeon contêm suporte XML íntegro com XSLT e CSS. Em geral, Firefox é mais robusto do que MSIE, e oferece melhores padrões de aderência.

    Eu tenho um relatório do usuário que Netscpae 4.6 e 4.8 suporta XML, no entanto sem nenhuma verificação independente.

  • Os autores do navegador antes chamado MultiDoc Pro SGML, CITEC (os quais o mecanismo também era usado no Panorama e outros navegadores), uniram forças com Mozilla para produzir um navegador multi-tudo chamado DocZilla, o qual lê HTML, XML, e SGML, com planilhas XSLT e CSS. O mesmo operou com Windows e Linus e era a versão 1.0 na época que estava disponível. Este era de longe o projeto de navegador mais ambicioso, e era mantido por um manuseamento de marcação bastante sólido.

Eu tenho menos informação nas capacidades XML do navegador Safari do Max OS X, o qual é baseado num mecanismo KHTML usado em Konqueror. Konqueror propriamente dito não parece suportar XML ou XSLT (pelo menos em KDE sob Fedora Core, por exemplo), mas o Safari 1.3.2 (v312.6) sob OS 10.3 ofereceu suporte parcial para XML, mas não honrou o DTD externo modificado por um subgrupo interno (obrigado John Haynie por este teste).

Mike Brown escreve:

O conceito de navegação é primeiramente o resultado de HTML possuir a semântica que possui. Em um documento HTML existe seções de texto chamadas âncoras que são ‘hiperlinkadas’ a outros documentos que podem estão em locações remotas numa rede ou sistema de arquivos. Documentos HTML oferecem dicas para um navegador em como o documento deveria ser apresentado e que tipo de comportamento é esperado do navegador quando o usuário interage com ele. A especificação HTML oferece muitas sugestões e requerimentos para o navegador, e oferece significados específicos para diferentes exemplos de marcação, tais como o fato de que um elemento se refere a uma imagem que deveria ser assegurada pelo navegador e capitulada em alinhamento com o texto adjacente.

Diferente de HTML, XML não possui tais semânticas inatas de qualquer forma. Não existe um método prescrito para capitulação de documentos XML. Portanto, o significado de ‘navegar’ em XML está aberto a interpretação. Por exemplo, um documento XML descrevendo as características de uma parte de uma máquina não carrega informação sobre como aquela informação deveria ser apresentada para um usuário. Uma aplicação é livre para usar os dados e produzir uma imagem da parte, gerar um texto formatado listando a informação, apresentar as marcações do documento XML com um esquema de cores bonito, ou re-estruturar os dados em um formato para armazenamento em um banco de dados, transmissão sobre uma rede, ou entrada para outro programa.

Entretanto, apesar do fato de documentos XML serem puramente arquivos de dados descritivos, é possível ‘navegar’-los de um certo modo, se os capitulando com planilhas. Uma planilha é um documento separado que oferece dicas e algoritmos para capitulação ou conversão de dados no documento XML. Usuários HTML podem ser familiarizados com a Cascata de Planilhas de Estilo (CSS). A linguagem de planilhas CSS é geral e poderosa o suficiente para ser aplicada a documentos XML, embora seja orientada para uma capitulação visual do documento e não permite processamento complexo dos dados do documento. Associando um documento XML com uma planilha CSS, é possível carregar um documento XML em um navegador que seja adaptado para CSS, e o navegador pode oferecer algum tipo de capitulação do mesmo, mesmo que o navegador não saiba como processar ou ler documentos XML. No entanto, nem todos os navegadores carregam um documento XML corretamente, e eles não são obrigados a reconhecer uma marcação XML que associe o documento a uma planilha, então não se pode assumir que documentos XML podem ser abertos com qualquer navegador.

Uma linguagem de planilha mais complexa e poderosa é a XSLT, as partes de Transformação da Planilha de Linguagem Extensível, a qual pode ser usada para converter XML em outros formatos, incluindo HTML, outras formas de XML, e texto simples. Se a saída dessa conversão é HTML, ela pode ser visualizada em um navegador como qualquer outro documento HTML seria.

O grau de suporte para XML e planilhas em navegadores varia grandemente. Embora o carregamento e capitulação XML no navegador seja possível em alguns casos, não é universalmente suportado. Portanto, muito conteúdo XML na web é traduzido para HTML nos servidores. É esse HTML gerado que é entregue para os navegadores. A maioria dos sites da Microsoft, por exemplo, existem como XML que é convertido em HTML na transmissão. O navegador nunca sabe a diferença

Veja também notas sobre Software para autores e XML para desenvolvedores , e a lista mais detalhada sobre as páginas XML no Web site SGML em http://xml.coverpages.org/ .